EM SERVIÇO NO PLANETA TERRA

EM SERVIÇO NO PLANETA TERRA

quinta-feira, 17 de janeiro de 2019

Nós somos Madalena


MARIA MADALENA
(Mariam, de sírius)

Canalizada por Galaxygirl, em 11 de novembro de 2018

Nós somos Madalena. Nós falamos em uma só voz. Por muito tempo, nossas vozes foram silenciadas pelo tempo, espaço e mal-entendidos que nos rodeiam. Por muito tempo, as energias masculinas de Gaia permaneceram desequilibradas. Nós somos o equilíbrio. Ancoramos a luz da Mãe Divina em suas formas agora, uma bênção das Madalenas neste Portal abençoado do 11/11: dia da sintonização. Pois vocês estão sintonizados com nossas frequências enquanto leem estas palavras e estamos ativando dentro de seus antigos portais interiores de sabedoria que há muito permanecem fechados. Pois muitos de vocês foram iniciados nas grandes escolas de mistérios de aprendizados ocultos, e desejamos que vocês se lembrem de seu treinamento. Para os próximos tempos, estão acenando para a frente, através do portal de nenhum tempo para um lugar de espaço, de beleza, de união Divina com a Mãe de todas as coisas, como ela faz a dança cósmica de amor com o Pai de todas as coisas. Você está bem familiarizado com nossos ensinamentos. Eles estão codificados dentro de você. Muitos de vocês agora estão sentindo formigamento, contração, agitação, pequenos redemoinhos de memórias esquecidas começando a girar, e agora estamos dando um impulso aos chacras cansados também.

Pois tudo é luz. Tudo é a Divina Mãe, a quem adoramos, a quem servimos e agora está dentro de nós. Somos aspectos de sua divindade, assim como você, companheiro de iniciação, companheiro de viagem e portador da vida. Nós pedimos que você ancore estes códigos, estes códigos de Madalena dentro de seus campos de energia e os reivindique como avanços permanentes. Pois eles são o nosso presente para você hoje, mas lembre-se que eles já estão dentro de você, estamos apenas ajudando você a acordar cada vez mais do sonho de separação e desarmonia.

Nós, Madalenas, ficamos em silêncio por muito tempo. É o tempo em que o conhecimento e a sabedoria antiga internos se tornam inexplorados e são disponibilizados a você, mais uma vez, para o benefício de sua própria ascensão pessoal e para a melhoria de Gaia, a grande mãe planetária, a quem você está servindo atualmente com todo o seu coração. Ancorar a luz. Torne-se um iniciado novamente. Visualize-se em vestes de luz branca e aterrada. Torne-se o cálice sagrado para o líquido de Códigos de luz cristalizados, fluindo agora de seu sol Hélios, enchendo seu cálice sagrado interior a ponto de transbordar, de modo que ao seu redor, e acerca de você, sejam tocados por essa luz líquida de amor e sejam curados e purificados por ele. Você é nossas mãos e pés. Você está fazendo o trabalho da Mãe, quando você serve nessa capacidade. A toda a humanidade está sendo oferecida esta oportunidade neste momento, mas aqueles que participam de nossa bênção, para se tornar o cálice sagrado, serão poucos. Você que está lendo nossas palavras foi selecionado para ser o portador da luz. Mas, por favor, saiba que é o seu trabalho, a sua tarefa, o seu dever, a sua alegria. Brilha a luz, a luz líquida da Divina Mãe de Todas as Coisas para os outros. Espalhe a luz sobre este mais abençoado dos tempos.

Nós, madalenas, falamos. Talvez venhamos em outro momento. Nós cobramos de você para utilizar estas energias para o melhoramento de Gaia e, assim, você ajudará muito em sua cura. Vocês são os despertos, a ponte entre o Pai Celestial e a Mãe Terra. Compartilhem nossos enunciados de luz com ela e com os outros. E que o útero da Divina Mãe possa cercá-lo com seu brilho estimulante. Que você possa sempre se sentir seguro e protegido dentro dos braços da Mãe Divina de Todas as Coisas, que está dentro de você enquanto falamos essas palavras codificadas de luz.

Nós somos a Madalena. É hora de liberar suas memórias e colocá-las em bom uso. Encontre sua força nos próximos dias. Você certamente precisará fazê-lo. Mas você vê que a força e a unidade Divina estão dentro e fora? Que são todas as coisas? Que você deve reivindicá-las e participar da eterna dança do amor, como um minúsculo fractal fazendo sua parte na grande dança de amor cósmico da ascensão? Aceite seu papel. Coloque o seu manto. Torne-se cheio até a borda com a luz líquida e crística da Mãe de Todas as Coisas, e que suas vidas sejam um exemplo desse derramamento de amor, pois essa foi a nossa missão. Estamos com lágrimas, vemos o que todos vocês passaram e estão prestes a passar. Nós também tivemos tremendas provações e tribulações no plano terrestre até o ponto do sofrimento insuportável percebido…, mas esse foi o nosso ato de serviço, para ancorar a Mãe Divina, assim como você está fazendo, ao plano da Terra. E todas as coisas são suportáveis quando você é mantido dentro de seus abraços mais calorosos, abrigado em luz radiante. Todas as coisas são transmutáveis. Basta transmutar tudo o que mais lhe serve com a luz radiante, o batimento cardíaco radiante da Mãe Divina. E ela vai te nutrir. Ela te sustentará em todas as coisas.

Muitos de vocês agora vão implorar para lembrarem de suas iniciações dos primeiros dias, nos templos secretos. Mas aqueles eram para os primeiros dias, as antigas energias onde a polaridade estava fortificada, e fomos encarregados de ancorar os códigos cristalinos de luz dentro da matriz de Gaia e os do humano coletivo, espiritual e geneticamente; o que fizemos. E vocês, iniciados na forma, estão colhendo as recompensas dessas codificações, do nosso trabalho, nossa longa vida de amor por toda a vida e, agora, vocês os trazem ao proveito até a conclusão. Pois a Mãe Divina falou e ela está fazendo uma coisa nova. Novas energias estão fluindo sobre você, dentro de você, ao seu redor. E você é encarregado de ancorá-las na mãe planetária divina a quem você serve. Medite! Ancore esses códigos! E, ao fazê-lo, você se tornará eles, e se tornará o cálice cristalizado de luz líquida, derramando-se como uma oferenda para os outros e, mais importante, para a doce Gaia.

Seja esta luz! Possua seu poder! Seja o amor da Mãe Divina em ação! Isso é tudo. Estamos exaustos, assim como você. Descanse nestas energias e codificações mais Divinas. Sente! Respire-as! Torne-as! Elas são o nosso presente para vocês, neste dia abençoado do 11:11.

Nós somos Madalena. Nós somos, como você é. 
________________________________

Fonte: https://voyagesoflight.blogspot.com
– Camila Picheth e Marco Iorio Júnior – Tradutora e Editor exclusivos do Trabalhadores da Luz: http://trabalhadoresdaluz.altervista.org



terça-feira, 15 de janeiro de 2019

Os desdobramento dos eventos
estão EM um ritmo mais rápido


Asthar SHERAN

Canalizado por Galaxygirl, em novembro de 2018

Saudações amigos! Eu sou Ashtar, emprestando minha voz esta noite.

Tanto está prosseguindo e seguindo de acordo com o planejamento, que eu não estou em total liberdade para discutir. Mas tenha certeza de que você é parte fundamental deste plano e não poderíamos fazer isso sem você. Eu lhe envio meu amor e luz e todos nós estendemos nossos braços e mãos para você, em bênçãos.

Estamos observando o desdobramento dos eventos em um ritmo mais rápido em seu querido planeta e o caos que parece estar se revelando. Mas isto não poderia estar mais longe da verdade. Em uma casa infestada de cupins, muitas vezes você não sabe até que seja tarde demais, porque eles estão escondidos dentro da estrutura, fazendo seu trabalho. É quando você dedetiza que fica óbvio, com todos os insetos correndo desesperadamente, tentando escapar. Tal está acontecendo atualmente em seu planeta com as energias mais elevadas e com nossa influência orientadora útil. Os da escuridão estão correndo – ou tentando – e no processo estão agitando todo tipo de dano.

Mas, esteja ciente e console-se, pois tudo não é como parece e o bem está vencendo, e a Luz está no controle total. E, assim, você pode estar sentindo mais essas energias transmutadoras fluindo interiormente, de forma cada vez mais profunda em seus estilos de vida, em seus corpos. Será mais fácil se você adotar um tipo de respiração regular e uma prática de meditação com a intenção de deixá-las fluir em você. E dessa forma, você será uma Luz ainda maior e brilhará ainda mais intensamente para os outros.

Venha nos visitar nas naves quando estiver pronto. Estamos ansiosos para conhecê-lo e saudá-lo e lhe oferecer nossa tecnologia de cura. Muitos de vocês já estão aqui conosco, em sua forma sobrenatural. Vocês são vastos seres criadores e possuem muitas formas. Lembre-se disso: nem tudo é como parece para você, mas, a partir do nosso ponto de vista e perspectiva, tudo está indo bem.

Eu sou Ashtar.

Salut!
_______________________________

Fonte: sananda.website
– Edição exclusiva dos Trabalhadores da Luz: Laudi Fagundes. Tradução: Regina Drumond – reginamadrumond@yahoo.com.br.
- http://trabalhadoresdaluz.altervista.org



domingo, 13 de janeiro de 2019

DESAFIOS DA VIDA


OSHO (Consciência Siriana)

A vida é possível apenas por meio de desafios.

A vida é possível apenas quando você tem ambos: bom tempo e mau tempo; quando você tem ambos: prazer e dor; quando você tem ambos: inverno e verão, dia e noite.

Quando você tem ambos: tristeza e alegria, desconforto e conforto. A vida se move entre essas duas polaridades.

Movendo-se entre essas duas polaridades, você aprende como ter equilíbrio. Entre essas duas coisas, você pode aprender como voar até a estrela mais distante.

As dificuldades sempre existem, são parte da vida. E é bom que existam, ou não haveria crescimento. Dificuldades são desafios. Elas o incitam a trabalhar, a pensar, a descobrir meios de sobrepujá-las.

O próprio esforço é essencial. Assim, sempre tome as dificuldades como bênçãos. Sem dificuldades, estaríamos perdidos. Dificuldades maiores virão, e isso significa que a existência está cuidando de você, está lhe dando mais desafios. E, quanto mais você os soluciona, maiores desafios estarão esperando por você.

As dificuldades desaparecem somente no último momento, mas esse último momento chega somente devido às dificuldades. Assim, nunca tome negativamente qualquer dificuldade. 
Descubra o algo positivo nela para o seu aprendizado. A mesma rocha que bloqueia o caminho poderá funcionar como um degrau. E se não houvesse essa rocha no caminho, como você se elevaria? E o próprio processo de ir acima dela, tornando-a um degrau, dá-lhe uma nova atitude de ser.

Quando você pensa criativamente sobre a vida, tudo é útil e tudo tem algo a lhe dar. Nada é sem sentido.
_______________________

Fonte: https://www.mundodasmensagens.com/mensagens-osho/

sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

O mundo está esperando
por sua ajuda na cura


Anna – avó de Jesus

Canalizada por Galaxygirl, em novembro de 2018

Sim querido, sou eu, Anna, avó de Jesus. Pelo menos é assim como você o chama agora. Para mim ele foi e sempre será Yeshua ben Joseph. Ah, aqueles foram os dias da minha lembrança onde eu vivi entre vocês, pois eu tive muitas aventuras que me emocionaram. A encarnação, em geral, é uma tarefa difícil e vocês escolheram o tempo mais árduo para entrar no campo da Terra. Mas você fez isso com um propósito maior, um chamado mais elevado, para enviar a sua luz ao coletivo humano e com força total, como uma elevação acima dos tiranos que o suprimiram, parece, por muito tempo. Eu digo “parece”, amigo, porque nem tudo é como parece. Pois quando você está dentro da forma humana, parte do acordo é esquecer quem você realmente é, mas agora é a hora de lembrar, ou de relembrar, como os Arcturianos gostam de dizer. É verdade.

Você está lembrando quem você realmente é. E eu posso atestar isso porque eu o conheço além do reino de onde as memórias são perdidas ou despojadas. Eu sou do além do tempo, sou exatamente como você é. Nós somos da mesma energia da Fonte, revivendo memórias e criando novas neste mais belo momento do Agora. Eu vejo muitos de vocês com medo de perseguir a sua verdade, como tem sido o tema da conversa entre muitos de vocês ultimamente. Como alguém faz isso, em um mundo, um reino, onde a verdade não é apreciada e foi distorcida para as vantagens de poucos para sucumbir a muitos? Como alguém brilha sua verdade radiante, sua luz livre e desembaraçada, nos belos começos dos momentos do Agora que pontuam suas vidas? Você fala com amor. Você vê com amor. Você vive através do amor. E esse amor lhe dá a força para fazer as tarefas difíceis, das quais, talvez, você preferisse fugir. E quanto às respostas do outro? Não importa, não é? É verdade que elas refletem o que seus próprios demônios interiores lhes mostram. Eles refletem com suas respostas o que é uma janela para você ver através de seus próprios entendimentos, e é uma ferramenta de ensino para você.

Ame-os onde eles estão, não onde eles não estão. Não fique frustrado por não estarem, talvez, no seu nível ou em um nível de compreensão que você acha que deveriam estar. Esse é o julgamento em sua forma mais verdadeira e é melhor não se sentar naquele trono. Em vez disso, veja-os através dos olhos do amor e ame-os onde eles estão. Você terá muitas oportunidades para fazer isso, é claro, já que você é o principal mostrador do caminho neste tempo precioso e tenro de despertar. Os bebês se agitam e choram quando são perturbados, não é? É o condicionamento do medo neste reino que deve ser mudado. Eu, Anna, vejo isto e envio a minha luz e o fluxo de vida para você, se você a receber, como um reconfortante bálsamo de mel calmante, e eu envio conforto e cura para suas formas físicas cansadas. É verdade que existem muitos mistérios da forma física em ascensão, e muitos de vocês têm feito este ato de autorrevelação e de ascensão no físico inúmeras vezes, e essas palavras são familiares para você, causando um arrepio no espaço do seu coração. Sim, você lembra. Muitos de vocês foram essênios ou estiveram em outras comunidades de indivíduos iluminados espalhados pelo mundo, que praticavam as artes sagradas curativas, copiavam textos e comiam de forma limpa, vivendo vidas simples e livres, livres dos muitos “deve e não deve” da sociedade. E assim, minhas palavras lhe causam conforto. É bom que elas o façam, pois sou particularmente dotada nas artes da cura e tive muitas vidas de prática, assim como vocês, meus amigos. Assim como você!

Estou na esperança de que essas palavras despertem lembranças como um calmante borbulhar de uma sopa deliciosa, cujo aroma desce a colina, a partir da cozinha quente e o atrai para dentro, para se alimentar. O alimento que você procura está dentro de você, meu querido, meu amigo. Você é mestre na alquimia. E agora você tem a majestosa oportunidade de fazer o principal trabalho pesado dessas energias outrora tóxicas em Gaia, que agora estão sendo limpas e liberadas por muitos, e por isso eu o encorajo a dar uma mão. Empreste seu coração. Envie o seu amor a esse mundo estéril que tão desesperadamente precisa dele. E assim, você vê que nada pode ser estéril, verdadeiramente estéril, quando existe amor? Pois o amor cura todas as feridas do passado e do presente. Portanto, meu conselho amoroso para você hoje, amigo na forma, é simplesmente amar os outros onde eles estão, como eles são. E suas respostas não são da sua conta. Se você está operando dentro da verdadeira incorporação do amor na forma, em ação, então você não pode errar.

Ame. Seja o amor, a luz e seja o riso, e infunda a sua marca, a assinatura de sua luz e brilhe cada vez mais intensamente hoje. O mundo está esperando por seu toque de cura e estamos observando de cima com ansiedade, confiantes em seus muitos, muitos sucessos que você já alcançou e que o vemos alcançando em um futuro muito próximo. Permita minhas codificações de energia dentro deste texto, para sua forma física agora, e seja transformado em luz, em pura luz e pura essência de amor da divina mãe, do divino  que a todos envolve e o codifica, A cada momento que você desejar que eu o ajude com sua alquimia física pessoal que está acontecendo com muitos – com a maioria de vocês – neste momento, fico feliz em ajudar. Tenho o prazer de servir, especialmente os que estão ascensionando, que estão próximos e são queridos ao meu coração, pois trabalhamos juntos muitas vezes no passado e continuaremos a fazê-lo em muitas linhas do tempo futuras e prováveis. Eu sou sua Anna, avó de Jesus. Eu concedo ao seu chacra coronário um beijo celestial, um impulso de energia de luz neste momento.

Fique em paz. Esteja em paz! Tudo está bem! Fique dentro do meu abraço energético, meu bálsamo de cura e seja um comigo. Seja o que você deseja procurar e, claro, você o encontrará, pois está dentro de você. Você é divino. Isso é tudo por agora, precioso amigo da luz dentro da forma densa, que não deve ser muito mais densa!

Eu sou sua preciosa Anna e você é meu amigo. Nós nos encontraremos novamente, garanto-lhe. Fique em paz.
______________________________________

Fonte: http://violetflame.biz.ly/
– Marco Iorio Júnior – Editor exclusivo dos Trabalhadores da luz
- http://trabalhadoresdaluz.altervista.org




quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

SIM, VOCÊS ESCOLHERAM!


ARCANJO MIGUEL
(Logos Solar Alfa & Ômega de Sírius)

Canalizado por Leslie-Anne Menzies, em novembro de 2018

Meus queridos, para muitos a vida é um desafio neste momento. Lembro-lhes que é por esses desafios que vocês precisam “passar”.

“Passar” é a maior dádiva que vocês descobrirão, não negar, retardar ou evitar.

Desafiem-se! Honrem o desafio! Saibam que todos vocês possuem as habilidadestudo o que se requer para “passar” por tudo o que se colocou como um aparente “obstáculo” para vocês e o seu crescimento – é aí realmente onde está o seu verdadeiro crescimento.

Quando puderem passar por esses desafios sem se automedicar, sem entorpecer a dor disso tudo e realmente encarar o que já está diante de vocês – é aí onde quem vocês verdadeiramente são aparece. Sejam o seu mais verdadeiro e límpido self. O tempo dispendido no processo dessas lições, e “passar” para o outro lado mais esclarecidos, mais purificados e mais sábios devido à experiência é a própria recompensa.

E, após tudo, queridos corações, foi por isso que vocês escolheram este caminho, devido à “EXPERIÊNCIA”.

Eu ouço alguns dizerem: “Eu NUNCA teria escolhido………….”

Eu lhes lembro: SIM, VOCÊS ESCOLHERAM – em um lugar muito diferente, em uma dimensão muito diferente, cercados pelos seus Guias e Anjos – ENTÃO, foi uma escolha muito fácil para o crescimento de sua Alma, e, nesta existência, para a purificação da sua linhagem ancestral.

E aqui vocês estão agora nesta dimensão, o Véu para muitos ainda é inabalável. Todavia, existe um elemento nessa equação que NUNCA mudou. Vocês AINDA estão cercados pelos seus Anjos e Guias. Vocês não podem vê-los tão claramente como certa vez o fizeram, mas, oh, queridos corações, eles os veem, eles estão ali amando-os, orientando-os, querendo que vocês despertem do sono profundo em que caíram há tantos éons.

Aqueles que estão ao seu lado constantemente, enviam mensagens, dão sinais e sua Alma SABE, mas o seu self humano volta a não se lembrar, escolhendo flutuar no mar da solidão e isolamento, sem vontade de apenas arriscar-se que talvez VOCÊS TENHAM AJUDA!!!

Meus queridos, o que se oferece a cada um de VOCÊS, se assim ESCOLHEREM, é o maior AMOR e apoio além de suas fantasias terrenas mais extravagantes.

Chegou a hora de despertar do sono profundo, o sono está sendo removido de seus olhos (o véu) – ESTÁ NA HORA, meus queridos.

Vocês vieram para momentos como estes. Vocês ESCOLHERAM tais momentos.

Muitas Almas ficaram de lado, sabendo que VOCÊS ERAM OS PERFEITOS para essa tarefa. E AQUI ESTÃO VOCÊS.

Vocês não podem mais se dar ao luxo de fingir que não sabem e que não creem na sua verdadeira grandeza.

VOCÊS são Seres de capacidade infinita/eterna.
VOCÊS são Seres de AMOR.
VOCÊS são Seres de LUZ.

Vocês participaram do jogo de “esconde-esconde” por tempo suficiente.

Não há mais tempo para encolher-se. Não há mais tempo para fingir que não sabem por que vocês vieram neste momento extraordinário.

Não há mais tempo – o tempo agora é perfeito para VOCÊS SE CONHECEREM em toda a sua perfeição de SERES MESTRES DA CRIAÇÃO que vocês são.

Meus queridos, como Seres Criadores, vocês criam em TODOS OS MOMENTOS – seus pensamentos são magnéticos e lhes trazem aquilo que vocês enviaram.

Então, eu os desafio: “Que pensamentos vocês estão enviando?” O que vocês estão criando em sua vida?

Chegou a hora de se recordarem de sua verdadeira essência. Hora de se prepararem para a sua Nova Terra e as magníficas criações que vocês podem realizar com seus pensamentos positivos e manifestações.

Meus queridos, imaginem a Nova Terra com o credo/mantra:
Abundância infinita para toda a humanidade;
Paz eterna para toda a humanidade;
Saúde perfeita e bem-estar para toda a humanidade.

VOCÊS são tão poderosos! E sim, meus queridos, está acontecendo.

Aqueles que estão escolhendo essa ordem e repetindo-a, enviando a vibração para os éteres, estão influenciando a mudança na FORMA.

Acreditem em vocês e em sua Divindade. Acreditem em vocês e em suas Criações. Observem todos os seus sonhos se manifestarem, queridos Seres Criadores.

Estávamos com vocês antes que encarnassem neste Planeta, nós os ajudamos em seu Projeto Divino para esta existência, e TODAS as ESCOLHAS de que vocês precisavam para serem bem-sucedidos ao navegarem nesta transição, através da dualidade, de volta para a UNICIDADE.

E estamos com vocês AGORA, no momento em que vocês leem estas palavras ou ouvem esta mensagem, e nós estamos com vocês por toda a eternidade, em todas as linhas do tempo divinas.

Isso, meus queridos, é UNICIDADE. VOCÊS E NÓS SOMOS UM.

E assim é.

EU SOU ARCANJO MIGUEL
_____________________________

Direitos Autorais:
Ao compartilhar esta mensagem, favor respeitar os créditos, sem acrescentar, modificar ou extrair nada do texto publicado.
leslie-anne@angelstoinspire.com.auwww.angelstoinspire.com.au
Tradução de Ivete Brito – adavai@me.comwww.adavaiwordpress.com



segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

O CÓDIGO SAGRADO
  

CAND-B E OS FELINOS

Canalizado por Marcelo Daniel, em novembro de 2018


Amados, deixamos-lhes esse presente que representa nosso aprendizado, por eras, dos pais de nossos pais que está gravado no seu DNA.

"Existe um código sagrado, um código de amor, um código de respeito pelos que vieram antes de nós e das próximas expressões que pisarão em nossa Casa.

Código de honra por nós mesmos e por toda a vida, de estar intrinsecamente ligado a tudo que existe.

Código de ética de seguir apenas o coração, que é a manifestação do Criador-Criadora em Tudo que É.

Código de reconhecimento: onde virmos um irmão em qualquer expressão, vemos a nós mesmos.

Código do serviço: em todos os multiversos, trabalhamos em nome da Fonte que é o Amor Manifestado”.

Esse Código - Eu Sou. Somos Nós. São vocês. E tudo o que é, pois tudo é o UM.

São as células multidimensionais se expressando.

É nosso presente!

Mas, se não for colocado em prática no dia a dia, são apenas palavras fugazes - uma verborragia - algo que se perde quando o que se acredita não se expressa.

Sejam o que São em Essência.

Caminhem pela Terra com essa Consciência.

Não falamos em perfeição utópica, mas manifestar o que seu Sol é. Estar atento, presente.

Quando a sombra vier (programações antigas), a acolham e se curem.

Vocês são os Guardiões dessa Terra e, em nome da família da Luz, os felicitamos e honramos.

Cand-B, em nome da Família Felina.
____________________________

Fonte: Grupo “Sírius – despertando o Cristo interior”



quinta-feira, 3 de janeiro de 2019

A civilização egípcia


Trazemos nesta postagem, um excerto da obra “A Caminho da Luz”, psicografada por Chico Xavier e ditada pelo Espírito Emmanuel, que oferece esclarecimentos interessantes sobre a Civilização Egípcia e sua origem extraterrena (degredados da Estrela Capela).

Dentre os Iluminados que lá encarnaram para conduzir a evolução daquele povo e seu retorno ao lar de origem, estavam alguns Avatares Sirianos: Isis (deusa), Osíris, Hórus (cristo), Toth, Anúbis, Shekmet (mestra felina) e Bastet (mestra felina) e Akhenaton.

______________________________


“OS EGÍPCIOS:
Dentre os Espíritos degredados na Terra [*], os que constituíram a civilização egípcia foram os que mais se destacavam na prática do Bem e no culto da Verdade. Aliás, importa considerar que eram eles os que menos débitos possuíam perante o tribunal da Justiça Divina. Em razão dos seus elevados patrimônios morais, guardaram no íntimo uma lembrança mais viva das experiências de sua pátria distante. Um único desejo os animava, que era trabalhar devotadamente para regressar, um dia, aos seus penates16 resplandecentes. Uma saudade torturante do céu foi a base de todas as suas organizações religiosas. Em nenhuma civilização da Terra o culto da morte foi tão altamente desenvolvido. Em todos os corações morava a ansiedade de voltar ao orbe distante, ao qual se sentiam presos pelos mais santos afetos. Foi por esse motivo que, representando uma das mais belas e adiantadas civilizações de todos os tempos, as expressões do antigo Egito desapareceram para sempre do plano tangível do planeta. Depois de perpetuarem nas Pirâmides os seus avançados conhecimentos, todos os Espíritos daquela região africana regressaram à pátria sideral.

·         16 Penates: casas paternas, berço familiar – N. E.

A CIÊNCIA SECRETA:
Em virtude das circunstâncias mencionadas, os egípcios traziam consigo uma ciência que a evolução da época não comportava. Aqueles grandes mestres da antiguidade foram, então, compelidos a recolher o acervo de suas tradições e de suas lembranças no ambiente reservado dos templos, mediante os mais terríveis compromissos dos iniciados nos seus mistérios.

Os conhecimentos profundos ficaram circunscritos ao círculo dos mais graduados sacerdotes da época, observando-se o máximo cuidado no problema da iniciação. A própria Grécia, que aí buscou a alma de suas concepções cheias de poesia e de beleza, através da iniciativa dos seus filhos mais eminentes, no passado longínquo, não recebeu toda a verdade das ciências misteriosas. Tanto é assim, que as iniciações no Egito se revestiam de experiências terríveis para o candidato à ciência da vida e da morte fatos esses que, entre os gregos, eram motivo de festas inesquecíveis.

Os sábios egípcios conheciam perfeitamente a inoportunidade das grandes revelações espirituais naquela fase do progresso terrestre; chegando de um mundo de cujas lutas, na oficina do aperfeiçoamento, haviam guardado as mais vivas recordações; os sacerdotes mais eminentes conheciam o roteiro que a Humanidade terrestre teria de realizar. Aí residem os mistérios iniciáticos e a essencial importância que lhes era atribuída no ambiente dos sábios daquele tempo.

O POLITEÍSMO SIMBÓLICO:
Nos círculos esotéricos, onde pontificava a palavra esclarecida dos grandes mestres de então, sabia-se da existência do Deus Único e Absoluto, Pai de todas as criaturas e Providência de todos os seres, mas os sacerdotes conheciam, igualmente, a função dos Espíritos prepostos17 de Jesus, na execução de todas as leis físicas e sociais da existência planetária, em virtude das suas experiências pregressas.

·         17 Preposto: auxiliar, gerente, diretor – N. E.
·         18 Ísis (deusa da maternidade e fertilidade) e Osíris (deus da vegetação e da vida do além) são personagens da mitologia egípcia segunda a qual, mesmo sendo irmãos, casaram-se e reinavam com prosperidade no Egito até ele ser assassinado por Seth (deus da violência, desordem e traição). Conhecedora da magia, ela ressuscitou o marido, enquanto seu filho Hórus, extermina Seth – N. E.

Desse ambiente reservado de ensinamentos ocultos, partiu, então, a ideia politeísta dos numerosos deuses, que seriam os senhores da Terra e do Céu, do Homem e da Natureza. As massas requeriam esse politeísmo simbólico, nas grandes festividades exteriores da religião. Já os sacerdotes da época conheciam essa fraqueza das almas jovens, de todos os tempos, satisfazendo-as com as expressões esotéricas de suas lições sublimadas.

Dessa ideia de homenagear as forças invisíveis que controlam os fenômenos naturais, classificando-as para o espírito das massas, na categoria dos deuses, é que nasceu a mitologia da Grécia, ao perfume das árvores e ao som das flautas dos pastores, em contato permanente com a Natureza.

O CULTO DA MORTE E A METEMPSICOSE:
Um dos traços essenciais desse grande povo foi a preocupação insistente e constante da morte. A sua vida era apenas um esforço para bem morrer. Seus papiros e afrescos estão cheios dos consoladores mistérios do além-túmulo.

Era natural. O grande povo dos faraós guardava a reminiscência do seu doloroso degredo na face obscura do mundo terreno. E tanto lhe doía semelhante humilhação, que, na lembrança do pretérito, criou a teoria da metempsicose, acreditando que a alma de um homem podia regressar ao corpo de um irracional, por determinação punitiva dos deuses. A metempsicose era o fruto da sua amarga impressão, a respeito do exílio penoso que lhe fora infligido no ambiente terrestre.

Inventou-se, desse modo, uma série de rituais e cerimônias para solenizar o regresso dos seus irmãos à pátria espiritual. Os mistérios de Ísis e Osíris18 mais não eram que símbolos das forças espirituais que presidem aos fenômenos da morte.

OS EGÍPCIOS E AS CIÊNCIAS PSÍQUICAS:
As ciências psíquicas da atualidade eram familiares aos magnos sacerdotes dos templos. O destino e a comunicação dos mortos, assim como a pluralidade das existências e dos mundos, eram para eles problemas solucionados e conhecidos. O estudo de suas artes pictóricas positiva a veracidade destas nossas afirmações.

Num grande número de afrescos, apresenta-se o homem terrestre acompanhado do seu duplo espiritual. Os papiros nos falam de suas avançadas ciências nesse sentido e, através deles, podem os egiptólogos modernos reconhecer que os iniciados sabiam da existência do corpo espiritual preexistente, que organiza o mundo das coisas e das formas. Seus conhecimentos, a respeito das energias solares com relação ao magnetismo humano, eram muito superiores aos da atualidade. Desses conhecimentos nasceram os processos de mumificação dos corpos, cujas fórmulas se perderam na indiferença e na inquietação dos outros povos.

Seus reis estavam tocados do mais alto grau de iniciação, enfeixando nas mãos todos os poderes espirituais e todos os conhecimentos sagrados. É por isso que a sua desencarnação provocava a concentração mágica de todas as vontades, no sentido de cercar-lhes o túmulo de veneração e de supremo respeito. Esse amor não se traduzia, apenas, nos atos solenes da mumificação. Também o ambiente dos túmulos era santificado por um estranho magnetismo. Os grandes diretores da raça, que faziam jus a semelhantes consagrações, eram considerados dignos de toda a paz no silêncio da morte.
Nessas saturações magnéticas, que ainda aí estão a desafiar milênios, residem as razões da tragédia amarga de Lord Carnarvon19 e de alguns dos seus companheiros que penetraram em primeiro lugar na câmara mortuária de Tutankhamon, e ainda por isso é que, muitas vezes, nos tempos que correm, os aviadores ingleses observam o não funcionamento dos aparelhos radiofônicos, quando as suas máquinas de voo atravessam a limitada atmosfera do vale sagrado.

·         19 O Lord Carnarvon foi o patrocinador das escavações que descobriram a tumba secreta do faraó Tutankhamon e um dos homens que lá entraram. Sua morte, ocasionada por uma infecção após ser picado por um inseto foi atribuída à maldição contra os que incomodam “o sono de um faraó”, a exemplo de outras tragédias ocorridas com os que participaram daquela excursão – N. E.

AS PIRÂMIDES:
A assistência carinhosa do Cristo não desamparou a marcha desse povo cheio de nobreza moral. Enviou-lhe auxiliares e mensageiros, inspirando-o nas suas realizações, que atravessaram todos os tempos provocando a admiração e o respeito da posteridade de todos os séculos. Aquelas almas exiladas, que as mais interessantes características espirituais singularizam, conheceram, em tempo, que o seu degredo na Terra atingia o fim.

Impulsionados pelas forças do Alto, os círculos iniciáticos sugerem a construção das grandes pirâmides, que ficariam como a sua mensagem eterna para as futuras civilizações do orbe. Esses grandiosos monumentos teriam duas finalidades simultâneas: representariam os mais sagrados templos de estudo e iniciação, ao mesmo tempo em que constituiriam, para os pósteros, um livro do passado, com as mais singulares profecias em face das obscuridades do porvir.

Levantaram-se, dessa arte, as grandes construções que assombram a engenharia de todos os tempos. Todavia, não é o colosso de seus milhões de toneladas de pedra nem o esforço hercúleo do trabalho de sua justaposição o que mais empolga e impressiona a quantos contemplam esses monumentos. As pirâmides revelam os mais extraordinários conhecimentos daquele conjunto de Espíritos estudiosos das verdades da vida. A par desses conhecimentos, encontram-se ali os roteiros futuros da Humanidade terrestre. Cada medida tem a sua expressão simbólica, relativamente ao sistema cosmogônico do planeta e à sua posição no sistema solar. Ali está o meridiano ideal, que atravessa mais continentes e menos oceanos, e através do qual se pode calcular a extensão das terras habitáveis pelo homem, a distância aproximada entre o Sol e a Terra, a longitude percorrida pelo globo terrestre sobre a sua órbita no espaço de um dia, a precessão dos equinócios, bem como muitas outras conquistas científicas que somente agora vêm sendo consolidadas pela moderna astronomia.

REDENÇÃO:
Depois dessa edificação extraordinária, os grandes iniciados do Egito voltam ao plano espiritual, no curso incessante dos séculos. Com o seu regresso aos mundos ditosos da Capela, vão desaparecendo os conhecimentos sagrados dos templos tebanos, que, por sua vez, os receberam dos grandes sacerdotes de Mênfis.

Aos mistérios de Ísis e de Osíris, sucedem-se os de Elêusis20, naturalmente transformados nas iniciações da Grécia antiga. Em algumas centenas de anos, reuniram-se de novo, nos planos espirituais, os antigos degredados, com a sagrada bênção do Cristo, seu patrono e salvador. A maioria regressa, então, ao sistema da Capela, onde os corações se reconfortam nos sagrados reencontros das suas afeições mais santas e mais puras, mas grande número desses Espíritos, estudiosos e abnegados, conservaram se nas hostes de Jesus, obedecendo a sagrados imperativos do sentimento e, ao seu influxo divino, muitas vezes têm reencarnado na Terra, para desempenho de generosas e abençoadas missões.

·         20 Elêuses: cidade grega onde se efetuavam o cerimonial descrito como “Mistérios de Elêusis” para os iniciados ao culto das deusas agrícolas Demeter e Perséfone – N. E.”
_____________________________________________

[*] NOTA DO BLOG: segundo outros autores, dentre eles Rodrigo Romo, são muitos os povos degredados na Terra, pelo fato do planeta estar inserido em uma zona de quarentena cósmica. Os capelinos foram um deles e, provavelmente ou certamente, Emmanuel referiu-se a uma única civilização pelo fato de ainda ser inadmissível para a raça humana terrena, na época em que o livro foi escrito (início do século XX), suportar a ideia da presença de várias civilizações extraterrestres convivendo na Terra. Ainda segundo Romo, o próprio Império Siriano tem 12 milhões de exilados na Terra (livro “A Origem”), fora os que estão encarnados a serviço de Jesus (Mestre Sananda) pela Ordem Kumara e outros.
_________________________________

Fonte: A CAMINHO DA LUZ - História da civilização à Luz do Espiritismo
Ditada pelo Espírito: Emmanuel
Psicografada por: Francisco Cândido Xavier
Publicação original em 1939 pela: Editora FEB
Federação Espírita Brasileira: www.febnet.org.br



terça-feira, 1 de janeiro de 2019

MARIA MADALENA

DESMISTIFICANDO AS INJÚRIAS
DA IGREJA DE ROMA



INTRODUÇÃO
  
Nada concreto, nada provado, nada completo; apenas fragmentos de verdades e reflexões.

Acho que, em uma realidade tridimensional, jamais teremos uma verdade completamente revelada. Até as verdades científicas são factíveis de mudanças porque, com o tempo, outras verdades se sobrepõem a elas.

No caso em foco, somente o retorno de Jesus poderia nos esclarecer os mistérios dessa mágica história e desse tão enigmático quanto magnífico personagem, chamado Maria Madalena.

As únicas fontes de que dispomos para desvendar a vida desta Maria são os Evangelhos: os canônicos e os apócrifos; principalmente estes, ou o que nos restou destes. Alguns autores aventuram-se mais além, escavando indícios na história de outros personagens ou sociedades que a citam em meio à sua história... como os Cátaros, por exemplo.

Foram tantas Marias atribuídas a ela... Foram tantas histórias inventadas e outras tantas histórias ocultadas sobre ela...! Seu nome foi vilipendiado pela Igreja Católica Romana e seu apostolado negado; seus ensinamentos da real doutrina do Cristo – o Cristianismo Puro – foram sepultados junto a seus seguidores, em sangrento e cruel genocídio, na França medieval.

Ora, para ser tão temida e odiada, pressupõe-se que seja muito importante e influente, caso contrário, seria apenas ignorada.

O escritor, jornalista e teólogo Juan Arias, autor da obra “Madalena, o último tabu do Cristianismo” (2006), afirma, em entrevista:

Nem prostituta, nem mulher vulgar e endemoniada. As lendas criadas desde as origens do Cristianismo, em torno da personagem bíblica Maria Madalena, são falsas. Mulher culta, de família abastada e extremamente inteligente, Maria Madalena não só era casada com Jesus de Nazaré – com quem tinha, naturalmente, relações carnais – como foi o apóstolo que ele mais amou e a quem mais confiou a propagação da doutrina cristã. Está em todos os Evangelhos reconhecidos pela Igreja: foi para Maria Madalena que Jesus ressuscitado apareceu primeiro, escolhendo-a como mensageira da notícia de sua ressurreição aos outros apóstolos, escondidos e atemorizados após a crucificação.

Mas por que então, desde o início dos tempos, a Igreja Católica tratou de obscurecer a imagem de Madalena? Por que a fiel e dedicada companheira de Jesus foi convertida em uma vulgar prostituta? Por que o Cristo Nazareno não escolheu um homem para anunciar a boa-nova? Por que foi Madalena e não Pedro o escolhido? [...]

Segundo o autor, a implantação da corrente masculina da Igreja representou uma verdadeira traição à ideia original de Jesus, confiada sobretudo a Maria Madalena e às mulheres.

[...] Sobretudo à luz dos novos evangelhos gnósticos, descobertos em 1945 no deserto do Egito, e também nos evangelhos oficiais – que Maria Madalena foi escolhida por Jesus para ser a verdadeira fundadora do Cristianismo, e não Pedro, a Igreja deveria revisar não só o papel da mulher na Igreja, mas toda a sua história e verdadeiras raízes.

[...] O que ocorre é que a importância de Maria Madalena e de suas relações íntimas com Jesus (é para ela simplesmente que ele aparece primeiro depois de ressuscitar) têm a mesma força nos evangelhos canônicos que nos apócrifos. Hoje existem biblicistas que defendem que o IV evangélico canônico pode ter sido escrito por Madalena (e não por João).

Passeando pela história pregressa desta Terra e sua humanidade, envolvendo essa enigmática personagem, vamos tentar oferecer subsídios à sua reflexão e provocar sua mente a tecer suas próprias conclusões e conjecturas. Penso que a magia da história humana é, simplesmente, descobri-la, juntando peças soltas de um intrincado quebra-cabeças. Venha comigo nessa aventura!


A CONFUSÃO DE VÁRIAS MARIAS

O nome Mariam ou Miriam (latim = Maria) era comum entre os judeus à época de Jesus (Séc. I), em homenagem à esposa de Herodes, o Grande: Mariam.

MARIA, DE MAGDALA (Israel = Magdalena; Grego: Magdalini): uma mulher que acompanhou Jesus desde o início de seu apostolado. Era procedente de Magdala, ou Mejdel (por isso: Magdalena = Madalena), uma rica vila de pescadores, a noroeste do Mar da Galileia. E seria a mesma mulher de quem Jesus teria expulsado sete demônios e que se tornou sua seguidora.

Assim se reporta a ela o Evangelho de Lucas (8, 1-4): Jesus “era acompanhado dos 12 apóstolos e de algumas mulheres que tinham sido curadas de espíritos malignos e enfermidades, entre elas Maria, chamada Madalena, de quem haviam saído sete demônios”.

Se considerarmos que, à época de Jesus, no conceito judaico, qualquer tipo de transtorno psíquico ou fenômenos paranormais era tido como possessão diabólica, estar possuído por um demônio era consequência do pecado, fundamentalmente do “pecado de sexo”. E se Jesus livrou Maria de Magdala de sete demônios, então tratava-se de uma prostituta comum.

Sabe-se que, na cultura judaica e conhecimento esotérico, há números cabalísticos que carregam um significado simbólico: o 3 (trindade divina, Sagrada Família); o 7 (A Criação divina em 7 dias, 7 pecados capitais, 7 chakras, 7 cores do arco-íris, 7 dias da semana, 7 notas musicais, etc.), então, esses sete demônios de Madalena podem não ter uma interpretação literal (metáfora dos sete egos?), e sim simbólica da ascensão espiritual pelo domínio dos estados inferiores de consciência.

Nesse caso, Madalena representaria a purificação alcançada pelo trabalho espiritual, “condição para que depois pudesse receber a Gnose e transmiti-la ao mundo”. É a Alma purificada para seu retorno à Divindade, o que os movimentos espiritualistas atuais chamam de “ascensionar”.

Conforme dizia Gustav Jung, a encarnação de Deus na humanidade envolve a elevação do princípio feminino e seu retorno ao status divino ou semidivino. Nesse contexto, a Virgem Maria e Maria Madalena representam os dois aspectos encarnados pela Sofia dos Gnósticos, para que o Cristo pudesse se manifestar na matéria e na alma de todos os homens: a mãe do Cristo e a noiva do Cristo.

[...] Há inclusive quem pense que aquele ter “arrancado dela sete demônios” poderia significar que a alma de Madalena vencera todas as formas do mal, quer dizer, que Jesus a purificou de todo o mal. Esta é a teoria de Jacir de Freitas Faria, inspirando-se no Evangelho gnóstico de Madalena. No Evangelho gnóstico, se diz que Maria Madalena “conheceu o Todo”, ou seja, foi uma iniciada nos mistérios de Jesus e uma “inspirada”.

No entanto, durante séculos, a Igreja considerou Madalena como o símbolo do pecado de sexo e como a pecadora arrependida, para colocá-la em oposição, sem dúvida, a Maria - a Virgem Imaculada. Madalena seria o espelho de Eva, o primeiro símbolo do pecado.

A partir do século X, Maria Madalena foi considerada como “exemplo de perdição do mundo”, segundo a afirmação do papa Gregório Magno (540-604), que chegou a qualificá-la como “escrava da luxúria”. Honório de Autun, no século XII, escreveu que ela viveu “atormentada por desejos impuros”. Por isso, Madalena, segundo a dita tradição [católica], passou a vida escondida em uma gruta, no deserto, fazendo penitência e mortificando sua carne. (ARIAS, Juan)

O paradigma da penitência e mortificação para agradar a Deus e se redimir dos “pecados da carne” tem feito a humanidade rastejar, há milênios, em busca dessa metamorfose redentora que nunca se concretiza porque a natureza humana não consegue se livrar da energia sexual. Está em nosso DNA. Aliás, a repressão ao sexo sempre foi útil ao espírito controlador e dominador do poder religioso, porque inibe a energia compassiva, amorosa e fraterna.

Dentro de uma cultura machista e dominadora, que demonizou a energia sexual para que fosse sepultado o Sagrado Feminino (energia da deusa) e com ele a compaixão e a concórdia, não se podia admitir que um ser divino se envolvesse com mulheres, ainda que esposas. Jesus tinha que ser casto, assexuado, celibatário para servir aos propósitos de domínio e controle da Igreja romana.


MARIA, DE MAGDALAH (Etiópia): peregrina que teria conhecido Jesus em Alexandria (Egito) e se juntado a ele, na sua peregrinação missionária.

Estudiosos apresentam uma outra versão de que Madalena não seria da cidade judia de Magdala, mas sim da cidade de Magdallah, na Etiópia, peregrina que poderia ter encontrado Jesus em suas andanças pelo Egito, mais precisamente em Alexandria. Talvez Maria fosse negra, ou de pele muito escura.

Isso explicaria a teoria da “Madona Negra” ou a “Santa Sara”, protetora do povo cigano.


MARIA, DE BETÂNIA: irmã de Lázaro e Marta. Aqui a confusão se faz por uma citação do Evangelho de João (12, 1-8), de que seis dias antes da Paixão de Jesus, estando ele ceando em casa de seu amigo Lázaro, sua irmã Maria, tomou uma libra de perfume de nardo puro, muito caro, ungiu os pés do Mestre e os secou com os cabelos.

Ora, é a mesma história da “pecadora pública” (prostituta), contada no Evangelho de Lucas... Qual das duas é a verdadeira?


PECADORA (prostituta) ARREPENDIDA: a intrusa que chora aos pés de Jesus, lavando-os e secando-os com seus longos cabelos, segundo a versão bíblica (Lucas 7, 36-50), trata-se de uma pecadora que se arrependeu e foi perdoada pelo Mestre. Não se fala no nome dessa mulher, mas, em 595 d.C., o Papa Gregório decidiu que Maria Madalena seria essa mulher, crença que foi imposta em todo o mundo cristão, até os dias atuais.

[...] Convertendo Madalena em uma simples prostituta arrependida, que passou o resto de sua vida fazendo penitência por seus pecados, se faz com que ela não mais apareça como uma mulher especial, a mais próxima de Jesus, ou como a mulher que recebeu do Mestre seus segredos mais bem guardados, a primeira “apóstolo”, aquela que, talvez, teria que ter sido – quem sabe – a verdadeira fundadora do Cristianismo, principalmente por ter sido a primeira e única testemunha da ressurreição. (ARIAS, Juan)

A Igreja Romana juntou Maria de Magdala, a obsidiada; Maria, irmã de Lázaro, e a pecadora arrependida sem nome em uma única pessoa para tecer a história dessa personagem bíblica. Porém, nos evangelhos, fica claro tratarem-se de pessoas distintas.

Em contraposição, a Igreja oriental sempre as manteve personagens distintas. Para a Igreja grega, por exemplo, Madalena era, inclusive, uma virgem.

Vários escritores orientais saudaram o papel de Madalena durante os fatos da Páscoa, vendo-a como uma mulher honrada e até mesmo apóstola do Mestre.

Cirilo de Alexandria, que era árduo acusador dos gnósticos nestorianos, em 444, dizia que as mulheres eram duplamente honorificadas, através de Maria Madalena, que fora testemunha da ressurreição.

Citam-se, ainda, Proclus, patriarca de Constantinopla (446), Gregório de Antioquia (593) e Modestus, patriarca de Jerusalém (630).

Confrontando seus pares da Igreja Romana, Santo Agostinho era um dos poucos a considerá-la a mulher mais importante dos evangelhos (a Apóstola das apóstolas), destacando-a das demais personagens femininas, em seu escrito "A Harmonia dos Evangelhos".

Desde o Concílio Vaticano II (11/10/1962 – papa João XXIII), a Igreja romana já não considera Maria Madalena como uma prostituta. Como tudo que pode causar qualquer alteração nas crenças de seus fiéis é feito de maneira velada, essa modificação de postura eclesiástica se fez quase que em silêncio, tanto que a maioria dos católicos ainda veem Madalena como a prostituta arrependida, sem a mínima ideia de que seus bispos e cardeais voltaram atrás nesta calúnia desmedida.

Nos ofícios da festa litúrgica (22 de julho), Madalena já não figura mais como a “penitente pecadora”. Na nova liturgia desta data, no lugar da passagem de Lucas 7, 36-50, em que se descreve a unção da prostituta em Jesus, lê-se agora o Evangelho de João 20, 1-2 e 11-18, onde se narra que Maria Madalena foi a primeira a se dirigir ao sepulcro, após a crucificação, e a primeira a anunciar aos apóstolos que o Mestre estava vivo.

Motivos escusos teriam levado o Clero Romano a apagar da memória do Cristianismo uma figura proeminente que os ameaçava, pregando amor e liberdade, já que se tratava de uma instituição totalmente masculina, dominadora e controladora?

Só o que se sabe é que ela é uma das Marias que acompanhava Jesus em suas viagens, cuidando e provendo as necessidades do Mestre.

[...] Reconhece-se hoje o que ela não foi, porém ainda não se tem a coragem de admitir qual foi seu verdadeiro papel na fundação do cristianismo e, menos ainda, em suas relações, inclusive sentimentais, com o profeta de Nazaré, tão bem documentadas nos Evangelhos canônicos e não só nos apócrifos. (ARIAS, Juan)


MESTRA: para os esotéricos da Nova Era, Madalena é uma mestra ascensionada que sustenta o Raio Vermelho Divino, na Fraternidade Branca da Terra: Mestra NADA. E que também é o Complemento Divino (Alma-Gêmea) de Mestre Sananda (Jesus).


SACERDOTISA DE ISIS: segundo Xavier Pedro Gallego, pesquisador espanhol, escritor, palestrante e estudioso dos Essênios, Maria Madalena, antes de encontrar Jesus, era uma sacerdotisa do Templo de ISIS, na Ilha de Philae/Egito. Tratava-se de uma Escola de Tantra Egípcio (espiritual), onde as Sacerdotisas de ISIS eram chamadas “Putas”; porém, tal nome naquela época não tinha o significado de prostituta, proscrita por vida devassa: simplesmente significava “sacerdotisas de tantra egípcio” (Hieros Gamos). Provavelmente, decorre daí a confusão ou a tergiversação da sua condição como mulher pecadora, propagada pela Igreja Romana.

Logo que sai do Templo para a vida pública, de volta à Magdala, sua cidade natal, encontra-se com Jesus (que por lá pregava) e é instantaneamente envolvida pela energia do Mestre, ou seja, ela reconhece de pronto a sua Chama-Gêmea. A partir daí, começa a segui-lo e a trabalhar com ele, inclusive aportando recursos financeiros. Maria era herdeira de família nobre de Magdala.

No judaísmo, era permitido que mulheres ajudassem e servissem com seus bens a rabinos e seitas, no entanto, não lhes era permitido participar ativamente dos rituais e ficavam separadas nas sinagogas. Tal atitude era devido ao status que as mulheres tinham nas comunidades judaicas, e ao fato de serem consideradas impuras e portadoras do pecado original


UMA MARIA ESPECIAL

É na Paixão que Maria Madalena aparece como uma das testemunhas dos eventos principais da obra do Cristo, citada em três dos quatro Evangelhos.

No Evangelho de João, Maria Madalena é a única mulher, além da mãe, que permaneceu ao lado da cruz, durante a agonia de Jesus.

José de Arimatéia e Maria Madalena são os personagens principais do sepultamento do Cristo. Um representa o rigor que recolhe o corpo físico de Jesus para sepultá-lo, e a outra representa a misericórdia de quem quer prepará-lo de acordo com as tradições judaicas. Coincidentemente, ambos são tidos como os portadores do cálice sagrado, ou o Santo Graal, tendo José de Arimatéia o levado à Inglaterra e Maria Madalena à França.

E foi ela quem primeiro testemunhou o Cristo ressurreto.

Mas são nos Evangelhos ditos apócrifos, pela Igreja Romana, que as Marias, tanto a Madalena quanto a mãe de Jesus se mostram como presenças fortes e exercendo liderança ao lado do Mestre.

Em 1945, em Nag Hamadi, região desértica do Alto Egito, foram encontrados, em língua copta, os Evangelhos de Tomé e de Maria Madalena. Este último, infelizmente, bastante fragmentado, não se sabe se por contingências do tempo em que ficou perdido ou por conta do “decreto Gelasiano” (Papa Gelásio – 492-496), contendo uma lista de 60 livros apócrifos do Segundo Testamento, que os cristãos católicos não deveriam tomar conhecimento. Muitos foram destruídos e outros tantos para a fogueira.

Jesus rompeu com inúmeros paradigmas, quebrou com várias regras estabelecidas pela comunidade judaica, e dar um papel mais importante às mulheres dentro de seu grupo foi uma dessas regras. Ele conversava diretamente com elas, ministrava-lhes conhecimentos sagrados, e se deixava tocar por mulheres consideradas impuras pelos judeus tradicionais.

Nos apócrifos, as mulheres tinham uma atuação marcante no cristianismo, destacando-se Maria Madalena, Maria mãe de Jesus, Tecla, Verônica... A mãe do Mestre, por exemplo, nada tinha daquela mulher sofredora e subserviente dos Evangelhos canônicos, e sim uma que discute no mesmo nível com os apóstolos e tem liderança entre eles. Tecla era companheira de Paulo de Tarso na evangelização e batizava, mas logo no início do Cristianismo sua voz foi silenciada. Tertuliano, que combateu o movimento das mulheres cristãs, por volta do ano 200, escreveu: “...Que elas se calem e que questionem, em casa, os seus maridos”.

Em 325 d.C, reuniram-se em Nicéia de Bitínia (Turquia) 318 bispos cristãos para decidir os destinos da humanidade, liderados pelo então imperador romano Constantino I - o que ficou conhecido na história como o Concílio de Nicéia. Desse evento saiu a instituição Igreja Católica Apostólica Romana que temos hoje, liderando por séculos e séculos a cristandade, mais especificamente nós, ocidentais.

Dos mais de trinta evangelhos dos apóstolos e seguidores do Grande Mestre Jesus elegeram-se os quatro que menos comprometeriam os intentos espúrios de dominação, tanto do clero quanto do governo de Roma, ainda assim, enormemente tergiversados. Muito se foi subtraído e acrescentado aos textos originais.

Mais tarde, instituíram o papado e sua infalibilidade, obrigando-se assim a humanidade a uma absoluta obediência à Igreja e, indiretamente, ao Estado. Durante séculos, esta foi a maior forma de controle político da história, sem que houvesse qualquer reação popular, uma vez que se estava cumprindo a vontade de Deus.

Proibiram a crença na reencarnação e instituíram a dualidade céu-inferno como um lugar físico para onde iria a criatura após a morte, ou seja, a felicidade eterna (céu) ou o fogo eterno (inferno). O céu para quem obedecesse aos preceitos da Igreja (Estado) e o inferno para os desobedientes. Com isso, surge o Deus vingativo e cruel que nada tem do "Pai Amoroso" a quem Jesus sempre se referia. O homem seguiu os preceitos religiosos por medo e não por consciência.

"Pai-Filho-Espírito Santo" foi a única trindade exclusivamente masculina de todas as culturas. Todas as outras constituíam-se do Deus Pai (princípio masculino criador), Deus Mãe (princípio feminino criador) e Filho (a criação). A mulher era totalmente excluída de qualquer função religiosa e, para reforçar tal rechaço machista, transformaram Maria Madalena - a sacerdotisa de Jesus - em uma reles prostituta arrependida. (Blog ALMA CÉLTICA)

Hoje, “as pessoas estão descobrindo a Maria Madalena mulher, discípula de Jesus, líder entre os primeiros cristãos. E por que não ‘apóstola’ e mulher que Jesus tanto amou?” (Jacir de Freitas Faria).

E o testemunho desta condição especial de Maria Madalena é dado pelo Evangelho apócrifo de Filipe, ao narrar: 1) “A companheira de Cristo é Maria Madalena. O Senhor a amava mais do que a todos os discípulos e a beijava frequentemente na boca. Aquele que é beijado pela boca; se o Logos tivesse saído dali, se alimentaria pela boca e seria perfeito. Os perfeitos são fecundados por um beijo e engendram." (Evangelho de Felipe v.31). 2) Os discípulos viram-no amando Maria e lhe disseram: Por que a amas mais que a todos nós? O Salvador respondeu dizendo: Como é que eu não vos ame tanto quanto a ela? (Filipe 63, 34-64,5). 3) Em Filipe 32, lemos: Eram três [mulheres] que acompanhavam o Senhor: sua mãe Maria, a irmã dela, e Madalena, que é chamada sua companheira”. 4) Em Felipe, 55-56, Maria Madalena também é tida como a "discípula mais amada do Senhor", simbolizando a importância dos mistérios divinos femininos para a reintegração da Alma.

O carinho especial do Mestre, em relação à Maria Madalena, fica claro em algumas citações do livro gnóstico “Pitis Sofia”:

Livro 1, cap.17: Maria Madalena pede permissão para interpretar as palavras de Jesus e ouve do mestre: "Maria, tu, a abençoada, a quem vou aperfeiçoar em todos os mistérios do Alto, fala com franqueza, tu, cujo coração está mais voltado ao reino de Céu do que todos teus irmãos".

Livro 1, cap.34: Maria Madalena pede permissão para interpretar as palavras de Jesus e ouve do mestre: "Excelente, Maria, abençoada, a plenitude, ou a plenitude de toda benção, tu que será abençoada por todas as gerações".

Livro 1, cap.61: Maria Madalena pede permissão para interpretar as palavras de Jesus e ouve do mestre: "Bem dito, ser abençoado, que herdará todo o Reino da Luz".

“Ela é descrita, então, como ‘aquela que vê’, que é capaz de discernir a Luz no escuro, e que é a Companheira de Jesus, sua Consorte. É a Sofia Celeste, que através do casamento alquímico, é capaz de transmutar seu corpo material em um corpo de glória, e que é preparada pela Gnose para ascender ao Reino Eterno”.


A MARIA QUE A IGREJA ROMANA INVENTOU

- Maria Madalena torna-se a “pecadora (prostituta) arrependida, de quem Jesus expulsou sete demônios”, como já mencionamos, por obra e graça do Papa Gregório, em 595 d.C.

- Quando Jesus ressurreto encontra os apóstolos, sopra-lhes os dons do Espírito e os manda sair e pregar, os Evangelhos canônicos não incluem Maria Madalena neste ato do Cristo, portanto, não a incluindo como discípula e agora apóstola de Jesus; apesar de sua notória e singular presença na vida do Mestre.

- Como discípula e apóstola, Maria Madalena seria a única mulher com autoridade de ensino em uma sociedade, cultura e instituições religiosas machistas.

- Ao contrário disso: prostituta. Quem daria ouvidos a uma prostituta? Além de afastarem uma mulher de seu meio, também poderiam manter anônimos os mais significativos ensinamentos libertadores e empoderadores, totalmente adversos aos propósitos daqueles interessados em exercer um poder controlador sobre as massas. Assim, todos os Evangelhos que destacavam a importância de Maria Madalena foram declarados “apócrifos” (não confiáveis).

“Quanto mais ela era reverenciada pelas comunidades gnósticas, mais a igreja de Roma a transformava no epíteto da mulher caída. De mensageira do evangelho ela se tornou, então, o símbolo da mulher que a sociedade da época adotava: do século III em diante, as mulheres já não têm participação ativa na comunidade cristã sob o domínio de Roma, e esta passa a se basear em um triunvirato masculino de bispos, sacerdotes e diáconos. Elas estão marcadas pelo pecado original e são exemplos de impureza. Apenas Maria, a mãe de Jesus, tem o seu status inalterado, passando a englobar em si todas as características positivas dos mistérios femininos”.


O APOSTOLADO DE MARIA

O Divino pode ser ocultado, mas não pode ser apagado. No Sec. XI, o culto à Maria Madalena foi restaurado no sul da França, cujos seguidores jamais aceitaram o estigma de “mulher decaída”. Ao contrário, ao longo da história, Madalena é considerada a apóstola da França.

 

L'église de la Madeleine (Paris)

Uma das muitas hipóteses da vida de Madalena, após a ascensão de seu “Rabi”, é que ela tenha fugido para a França, onde reiniciou seu apostolado entre o povo Cátaro. Versão esta que vemos retratada no filme “O Código Da Vinci”, de Dan Brown.


SOBRE O POVO CÁTARO – os cristãos puros:

Os Albigenses (da região de Albi) ou Cátaros (do grego “Kathares” = Puros) eram um povo cuja cultura floresceu nos séculos 10 a 13 de nossa era e uma civilização muito avançada com relação ao resto da Europa.

Seus preceitos eram propagados verbalmente pelos Trovadores (Troubadors), cantores populares que iam de cidade em cidade transmitindo a cultura evoluída deste povo.

Viviam para a Fé, exerciam grande influência na Europa e Oriente Médio e diziam-se os guardiões do Santo Graal.

Dentre os preceitos e costumes dos Cátaros, citamos alguns, que vão deixar bem claro os motivos pelos quais foram tão perseguidos pela Igreja Romana:

- Lá, os judeus eram aceitos e podiam praticar sua religião em suas sinagogas, sem serem molestados;
- Todos eram convidados a aprender a ler, inclusive as mulheres, e o índice de analfabetismo era quase nulo;
- Existia terra e trabalho para todos;
- As artes eram estimuladas e os artistas valorizados;
- A alimentação era abundante e dividida entre todos;
- Homens e mulheres tinham os mesmos direitos e deveres e, ao reencarnarem, poderiam fazê-lo como um ou outro gênero;
- A mulher, depois de parir seu filho, não precisava ser purificada e bendita, já o sendo pela maternidade;
- Cada bom cidadão, e mesmo as mulheres, podiam pregar a doutrina;
- Um de seus maiores lemas era: “o trabalho é uma prece”;
- Diziam que eram a verdadeira Igreja de Cristo, pois seguiam a sua doutrina, dos evangelhos e dos seus apóstolos, em palavras e obras;
- Ninguém é maior ou melhor do que o outro na igreja (“... vós todos sois irmãos” – Mateus, 23:8);
- Os clérigos, monges, bispos e abades não deveriam ter prebendas (cargos remunerados) ou direitos reais;
- Ninguém deve ser forçado a qualquer crença;
- Reprovavam títulos dignitários, como Papa, Bispo, etc., e não aceitavam privilégios eclesiásticos;
-  Desprezavam a imunidade de igreja, do clero e suas coisas;
- A ordenação sacerdotal nada vale, pois cada bom homem é um sacerdote, como os apóstolos foram simples bons homens;
- A Doutrina do Cristo e dos apóstolos é suficiente para a salvação, sem os estatutos da igreja;
- Diziam, também, que o Cristo, nascido em Belém e crucificado em Jerusalém, era somente um homem (fisicamente), embora tivesse uma alma divina;
- E que a cruz de Cristo não deveria ser venerada, porque ninguém veneraria a forca, na qual seu pai, parente ou amigo fosse crucificado;
- Abominavam dogmas, doutrinas ou teologias fixas, e levavam uma vida de extrema devoção e simplicidade. Seus rituais (meditações) e serviços eram conduzidos ao ar livre ou algum local disponível.
- No lugar da fé, aceita em segunda mão, os cátaros insistiam no conhecimento direto e pessoal, em uma experiência religiosa ou mística (Gnosis = conhecimento), aprendida em primeira mão;
- O propósito da vida do homem na Terra era o de transcender a matéria, renunciar para sempre a qualquer coisa relacionada com o princípio do poder e, dessa forma, atingir a união com o princípio do amor.  

Esse elenco de alguns preceitos dos Cátaros é suficiente para entender o porquê da implacável e sanguinária perseguição da Igreja Católica sobre eles, que culminou na completa extinção de toda uma cultura...

O papa Inocêncio III decretou indulgência plena para quem fosse dizimar os cátaros, na região de Langue D’Oc. Os cruzados poderiam matar, violentar e roubar todos, sem distinção de sexo, idade ou ordem, que seus pecados seriam imediatamente perdoados. Neste genocídio, a igreja romana teve o grande auxílio dos reis Felipe Augusto e, depois, Luís VIII e seus nobres do norte da França, interessados nas terras e riquezas daquela região.

Os historiadores estimam que mais de quinhentas mil pessoas foram ali assassinadas, nos poucos mais de 20 anos de duração dos combates.

Mas havia mais...


JESUS E MARIA MADALENA – O Casal Divino


Segundo os Cátaros, Jesus e Madalena eram esposos e o Santo Graal era a própria Maria Madalena, ventre (cálice) que gerou a linhagem crística na Terra: a filha de Jesus. Era o início da mais sagrada de todas as linhagens na Terra e que possivelmente deu origem à Dinastia Merovíngia, de reis franceses.

Na lenda cátara, Maria Madalena fugiu primeiro para o Egito e depois navegou para a França, junto com Lázaro, suas duas irmãs Marta e Maria, e uma menina de mais ou menos 12 anos, chamada Sarah. Sara seria filha de Jesus e Madalena que, mais tarde, passou a ser venerada como Santa Sarah Kalli, protetora e padroeira dos ciganos.

[...] O Egito foi o lugar tradicional de asilo para os judeus, cuja segurança estava ameaçada em Israel. Alexandria foi facilmente alcançada a partir de Judéia e continha bem-estabelecidas comunidades judaicas da época de Jesus. Com toda a probabilidade, o refúgio de emergência de Maria Madalena e José de Arimateia foi o Egito. E, mais tarde - anos mais tarde - eles deixaram Alexandria e procuraram um refúgio ainda mais seguro na costa da França.

[...] Na cidade de Les Saintes-Maries-de-la-Mer, na França, há um festival a cada 23-25 maio, em um santuário em honra de Santa Sara, a egípcia, também chamada de Sara Kali, a "Rainha Negra". Exame minucioso revela que este festival, que teve origem na Idade Média, é em homenagem a uma criança "egípcia" que acompanhava Maria Madalena, Marta e Lázaro, que chegou com eles em um pequeno barco que desembarcou neste local, em cerca de 42 dC.” (Prof. Zezinho França)

Professor Zezinho França (antropólogo, teólogo e jornalista) tem uma versão interessante e bastante coerente sobre a cor negra dessa suposta criança trazida à França por Maria Madalena e José de Arimateia. Esta, a meu ver, seria a hipótese mais plausível, tendo em vista que Jesus e Madalena eram judeus, portanto não seriam negros e não poderiam gerar uma filha negra.  

“Uma filha de Jesus, nascida depois da fuga de Maria para Alexandria, teria cerca de 12 anos de idade na época da viagem para a Gália, registrada na legenda. Ela, assim como os príncipes da linhagem de Davi, é simbolicamente negra, "não reconhecido nas ruas" (Lamentações 4:08).

Sua "negritude" teria sido simbólica de seu estado oculto, ela era a rainha desconhecida – “não reconhecida, repudiada”, e difamada pela Igreja através dos séculos, em uma tentativa de negar a linhagem legítima e manter suas próprias doutrinas da divindade e celibato de Jesus.”

[...] Fósseis de verdade permanecem enterrados em nossos símbolos, nossos nomes próprios de pessoas e lugares, nossos rituais e contos populares. Isto entendido, é plausível que a fuga para o Egito foi tomada pelo “outro José”, o José de Arimateia, e "outra Maria", Maria Madalena, para proteger o feto de Jesus dos romanos e os filhos de Herodes, depois da crucificação. As discrepâncias na história e o conflito de gerações obviamente podem facilmente ser entendidos à luz do perigo para a linhagem - que exigia o máximo sigilo quanto ao seu paradeiro - e à luz do que o tempo decorrido antes que a história se comprometeu a escrever. Este parece ser mais um caso de um mito que está sendo formado, porque a verdade era muito perigosa para ser contada.

As Madonas Negras dos santuários na Europa (séculos V e XII) poderiam, então, ter sido veneradas como um símbolo desta outra Maria e seu filho, o Sangraal, que José de Arimateia trouxe em segurança até a costa da França.

Os amigos de Jesus, que acreditavam tão fervorosamente que ele era o Messias, o Ungido de Deus, teriam percebido a preservação de sua família como um dever sagrado. O navio, o cálice que encarna as promessas do Milênio, o "Sangraal" da lenda medieval, era, eu passei a acreditar, Maria Madalena.       

Pelas escrituras canônicas, fica claro que, após a crucificação e ascensão de Jesus, Maria Madalena não estava mais em Jerusalém, pois não se fala mais em seu nome, seja no Livro de Atos dos Apóstolos ou nas cartas de Paulo. Como também não há mais menção de Maria, Marta, Lázaro ou José de Arimateia. Em vez disso, pós-Ascensão, referências à Maria Madalena ocorrem somente nos Evangelhos Gnósticos, nos quais ela é referida como a companheira íntima de Jesus.

Há muita literatura, desde a Idade Média, que retrata Madalena como sendo o próprio Graal. Existe na literatura romântica do Séc. 18 e 19, e é bem definida na literatura do final do Séc. XX, na obra “O Santo Graal e a Linhagem Sagrada”, que entrelaça as várias lendas em um denominador comum.

Seria esse o grande segredo que encerra o Santo Graal e que acabou por determinar o extermínio em massa do povo Cátaro, pela Armada do Papa Inocêncio III (Cruzadas), matando mais de 10 mil cátaros, somente na cidade de Bézier. Foi a partir desse sangrento massacre que as Cruzadas Católicas se transformaram no Tribunal da Santa Inquisição, matando mais de um milhão de pessoas.

Bèrenger de Saunière
Consta que no ano 1885, Bérenger de Saunière, pároco do vilarejo de Rennes-le-Château, ao efetuar reparos em sua igreja, descobriu que uma das antigas colunas visigóticas era oca e continha 4 rolos de pergaminhos, dentro de tubos de madeira, lacrados. Esse Códice, possivelmente, revelava sobre Maria Madalena e Jesus. Inclusive, um dos manuscritos codificados que ele encontrou contém uma passagem, em latim, do Evangelho de São João, que se refere à Madalena.

Incapaz de traduzir o documento, Saunière comunicou sua descoberta ao Bispo de Carcassone, Monsenhor Felix-Arsene Billard que, imediatamente, enviou os pergaminhos e Saunière aos estudiosos eclesiásticos de Paris. Após visitar seus superiores em Paris, Saunière voltou de lá totalmente modificado; financeiramente modificado, melhor dizendo, com obras faraônicas na sua igreja, colecionando porcelana rara, mármores antigos e tecidos preciosos; se correspondendo com várias pessoas ao redor do mundo e recebendo hóspedes ilustres, como o Ministro da Cultura do governo francês e o arquiduque Johann von Habsburgo, primo de Franz Josej, imperador da Áustria.

O recém-milionário Saunière empreendeu curiosas reformas em sua Igreja Santa Madalena:
a) Inscreveu sobre o pórtico a frase: “Terribilis est loeus iste” (Este lugar é terrível);
b) E no arco sobre o pórtico está a inscrição: “Esta é a casa de Deus e o Portão Celestial”;
Asmodeus
c) Na entrada, colocou uma escultura do demônio Asmodeus (conhecido por guardar tesouros escondidos), tendo sobre os ombros uma bacia de água benta.
d) Dentre os diversos simbolismos dentro da igreja, o Santo Graal foi reconfigurado, colocando-se cinco santos dispostos em forma de “M” (Madalena): São Germano, São Roque, Santo Antônio de Pádua, Santo Antônio Eremita e São Lucas.
e) Nas pinturas que representavam a Via Sacra, na Estação VIII, por exemplo, havia uma criança envolvida em uma capa escocesa.

Era como se estivesse tentando dizer algo que não pudesse ser falado explicitamente.

Saunière tinha verdadeira fixação por Maria Madalena e, na frente de seu palacete, denominado “Villa Bethânia”, ele construiu uma torre, à qual chamou “A Tour Magdale” (A Torre Magdala). Qual o sentido daquela torre, não fosse para a defesa... Seria contra o ataque das Cruzadas Católicas? Muitos acreditam que o súbito enriquecimento de Saunière tenha sido em troca de seu silêncio. (foto)

Muito se especula a respeito dos pergaminhos, dos quais nunca mais se teve notícias.
____________________________

Como já dissemos, foi a partir da “heresia” cátara do Santo Graal que se institucionalizou o Tribunal da Santa Inquisição, para enterrar definitivamente a heresia do casal Jesus e Maria Madalena.

Em meio a tanto mistério, lendas e mitos foram criados, alguns até grotescos, por igrejas da França, alegando possuírem os restos mortais de Maria Madalena, a pecadora arrependida, que passou seus últimos 33 anos em penitência, em uma gruta da floresta de Sainte Baume. Um deles é o da Igreja de Saint Maximin, no sul da França, que expõe um crânio, em uma redoma de vidro e caixa de ouro, alegando ser o crânio de Madalena. Essa “relíquia” sai em cortejo pelas ruas, durante festividades.

Histórias como estas levaram ao esquecimento a identidade de Maria Madalena como grande mestra e heroína da Europa Medieval; fazendo prevalecer a alcunha impingida pela Igreja Católica Romana de “pecadora arrependida”.

Porém, o Divino pode ser oculto, mas nunca pode ser apagado. Assim foi que um tesouro enterrado nas areias do Egito, há quase 2 mil anos, trouxe de volta a verdadeira identidade de Madalena.

Em 1945, foram descobertos, sob o rico solo do Vale do Rio Nilo, 13 manuscritos em papiro, hoje conhecidos como os “Evangelhos Gnósticos (apócrifos)”. O documento escrito em Copta (antiga língua egípcia) contém 49 tratados da seita Gnóstica, que nunca fizeram parte do Novo Testamento, e muitos deles nunca vistos.

Muitos documentos foram destruídos ou queimados pela Igreja Católica Romana, como heréticos; porém, nunca ninguém teve acesso aos seus conteúdos.

O tema principal dos ensinamentos gnósticos é que a Divindade não é uma força externa, mas uma capacidade interna, inata a todos os seres humanos e não só a Jesus. O Evangelho de Maria Madalena corrobora isto ao dizer: “O divino está em ti, pois fomos criados à imagem de Deus”, denotando uma continuidade entre o humano e o divino.

No documento intitulado “Pitis Sofia” (o livro sagrado da Gnose), estão registradas as dificuldades de entendimento entre os apóstolos, inclusive uma discussão entre Madalena e Pedro, porque Maria fala e pergunta muito na sua compreensão judia de não se dar voz às mulheres; e Jesus a encoraja a falar.

Pistis Sophia foi escrito no século II ou III D.C, baseado nos ensinamentos de Valentiniano, o principal autor gnóstico, e é composto de cinco livros.

Nos textos desta obra, Jesus constantemente pede aos discípulos, dentre aqueles que sejam tocados pelo Espírito (costume dos antigos gnósticos), que deem sua avaliação sobre o que Ele expôs.

“Tantos os homens como as mulheres discípulos participam livremente do diálogo com Jesus. Maria Madalena é o discípulo que mais interroga o Mestre, é o que melhor compreende seus ensinamentos, e é em quem Ele deposita a maior confiança e amor. Tanto que chega a deixar Pedro irritado com as intervenções constantes de Madalena”.

Para os gnósticos, Maria Madalena era o protótipo do perfeito adepto. “Ela amava o Cristo sobre todas as coisas, tinha Fé, foi a testemunha de sua Ressurreição e tinha uma capacidade plena para receber a Gnose, ou o Conhecimento Divino. Através do arquétipo feminino que Maria representa, a Alma é plena para receber a Gnose Divina, bastando se purificar para receber e reconhecer o Cristo”.

Pelo Evangelho de Maria Madalena, fica claro que os gnósticos a tinham na conta de profetisa, apóstola de Jesus e líder do seu grupo de seguidores. Fica claro também que o Mestre compartilhava ensinamentos secretos com ela, e isso deixa Pedro enciumado. Maria destaca-se de todos os demais apóstolos.
Esta imagem de Maria Madalena é assumida pelas comunidades cristãs primitivas, principalmente as consideradas gnósticas e, desde o início, pela Igreja Ortodoxa: a Apóstola, discípula do Cristo, testemunha de sua Paixão e Ressurreição.

"Maria Madalena e Sofia, com as filhas Fé, Amor e Esperança" - Ícone Ortodoxo

Nos Evangelhos canônicos, não existem mulheres discípulos; estas apenas acompanhavam Jesus. Mas nos Evangelhos gnósticos havia mulheres discípulos, das quais se destacava Maria Madalena.
__________________________________

Porém, nem mesmo a descoberta desses documentos causou tanto impacto quanto a obra do gênio das artes e ciências, Leonardo Da Vinci, trazendo Madalena de volta aos olhos do mundo: “A Última Ceia”, onde uma figura feminina está sentada à esquerda de Jesus; imagem que pesquisadores atribuem a João Evangelista, retratado com rosto feminino por ser muito jovem e puro.


E baseado nesta obra de Da Vinci, o escritor Dan Brown produziu a polêmica obra “O Código Da Vinci”, depois transformado em filme, onde abertamente está exposto serem Jesus e Maria Madalena um casal com uma filha (Sarah), o que corrobora os Evangelhos de Maria Madalena e de Felipe.

Ora, sendo Jesus um judeu, cultura de costumes extremamente rígidos, certamente seria um homem casado, aos 32 anos. Além disso, mesmo nos quatro Evangelhos canônicos, Maria Madalena é citada 12 vezes, e nos momentos mais importantes da vida missionária do Mestre. Isso prova que ela era a mulher mais próxima de Jesus.

A cena da unção dos pés de Jesus com a essência de alabastro, supostamente por Maria Madalena, tem uma simbologia muito forte, pois somente uma mulher muito próxima poderia tocar os pés desnudos do ungido: somente a mãe ou a esposa.

Esta cena nos remete, também, ao Hieros Gamos (Alquimia sagrada – magia sexual), uma celebração da união sagrada de um casal divino espelhado na Terra em um corpo humano: o êxtase orgásmico sagrado da Criação; presente na Cultura Egípcia (Isis: deusa da sexualidade) e em algumas religiões pagãs. Neste caso, Madalena seria uma Sacerdotisa de Isis, celebrando o Hieros Gamos com um Mestre Crístico: Jesus.

As escrituras confirmam, ainda, que Maria ungiu não apenas os pés, mas também a sua cabeça, fazendo-o com seus próprios cabelos. Os detalhes desse ato parecem confirmar que aquilo fora um ritual de significado interior profundo. A ação de Maria foi parte de um rito egípcio relativo a Ísis e Osíris, por meio do qual o rei-sacerdote é ungido pela rainha-sacerdotisa em preparação para o seu ritual de união, o Hieros Gamos ou casamento sagrado.

Todos os deuses (egípcios, gregos, romanos, antigo oriente) tinham suas deusas, formando um casal. Somente um deus judeu não teria? Na tradição judia, Deus é sempre representado pelo masculino, mas nos demais, é sempre mencionado Deus Pai/Mãe.

Madalena incorpora, portanto, o que a Igreja Ortodoxa perdeu e fez perder a humanidade: o Sagrado Feminino – a deusa.

Simboliza, também, a devoção acima do racional, firme quando todos a rejeitavam por ser mulher, ou quando todos os apóstolos fugiram e ela ficou ao lado do seu Amado.


O MITO DAS VIRGENS NEGRAS E MARIA MADALENA

A exemplo da história religiosa no Brasil, em que temos uma Virgem Negra – Nossa Senhora Aparecida – como padroeira do país, ao redor do mundo, ao contrário do que se imagina, elas não estão apenas associadas à Virgem Maria, mãe de Jesus, mas também à Maria Madalena, chamada de "a outra Maria". Na Europa, existem cerca de 50 santuários, entre os 125 dedicados à Maria Madalena, que possuem imagens de Virgens Negras.

Isis e Osíris
Algumas dessas estátuas de Virgens Negras não apresentam feições com características europeias, e sim, algo mais parecido com antigas estátuas de deusas egípcias. Para Carl Jung, que estudou o fenômeno, elas se referem a um arquétipo feminino de fecundação, ligado à fecundidade da terra, por isso a cor negra, e representam, em sua maioria, a deusa egípcia Ísis.

Foram os Templários (Ordem do Templo, criada por São Bernardo) que associaram o culto das virgens negras à Maria Madalena. E também foi Bernardo o primeiro a associá-la à noiva morena dos Cânticos de Salomão.

O curioso é que existem várias imagens de Virgens Negras associadas à Maria Madalena que estão com uma criança no colo, o que sempre intrigou os historiadores e os especialistas em religião comparada.

Das muitas lendas que ilustram a trajetória de Maria Madalena, como mencionamos anteriormente, podemos incluir a de Kali Sara, ou a "Negra Sara", a santa protetora dos ciganos, e cuja história se perdeu no tempo. Alguns acreditam que ela era uma pescadora de origem cigana moradora da região, que teria testemunhado o desembarque de Maria e José de Arimateia, e que, ao perceber que o barco onde estavam as três Marias estava afundando, teria pulado na água e, como exímia nadadora, salvado seus ocupantes. Outra versão diz que ela era uma criança de pele morena, que teria desembarcado juntamente com Maria Madalena e que seria sua filha com Jesus. Desembarcando na França, teria dado origem à linhagem dos francos Merovíngios (reis), que seriam descendentes da sagrada família. Nesta visão, Madalena teria levado para a Europa o Sangue Real, que com o passar do tempo, em franco, se tornou a palavra Santo Graal.


OS SÍMBOLOS E MARIA MADALENA

Quatro principais símbolos são associados a Maria Madalena: O Jarro, O Crânio, o Livro e o Ovo Vermelho.


O Jarro: associado à Maria Madalena, já que ela foi associada à várias passagens da bíblia sobre mulheres que ungiram o corpo do Mestre, com um líquido que estava em um jarro. Além disso, o Jarro também faz lembrar o cálice sagrado.

O crânio: além de outras representações, também está associado à ressurreição, por ser um símbolo da morte física. “É o arquétipo da renovação espiritual, do abandono da vida anterior ligada ao mundo da matéria, da renovação da natureza. Como ela foi testemunha da ressurreição do Cristo, foi associado a ela este símbolo. Outra associação possível é com o nome do lugar onde o Cristo foi crucificado: o Gólgota, ou ‘lugar das caveiras’.”


O Livro: Maria Madalena também é muitas vezes representada juntamente a um livro aberto, sobre o qual ela medita a respeito dos conhecimentos deixados pelo Mestre. “O Livro é a Gnose, é o Novo Testamento, ou Aliança deixada pelo Cristo aos seus discípulos. Como principal discípula de Jesus, Madalena continua como a portadora do Conhecimento que abre o espírito ao Espírito Divino. Ela decifra o verdadeiro conteúdo e simbologia das escrituras, buscando o sentido interior da palavra escrita. Pode ser também a representação do fato de que, à Maria Madalena, foi associado o quarto evangelho, senão como sua escritora, mas como sua inspiradora, pois é o evangelho que mais fala do amor e do espírito. Além disso, há o fato de que o quarto evangelho foi atribuído ao "discípulo mais amado" do Cristo, epíteto este utilizado pelas comunidades cristãs primitivas mais à Maria Madalena do que à João”.


O ovo vermelho: “é o símbolo do nascimento, de tudo o que está em germe para ser gerado e dar à vida. É o símbolo da unidade primordial, que traz em si o que irá emanar. É a gestação do Novo Homem, símbolo da unidade da qual viemos e para qual iremos retornar”.

__________________________________

EVANGELHO APÓCRIFO DE MARIA MADALENA

“O Evangelho de Maria é um texto provavelmente do século II ou III, encontrado no Egito, que faz parte dos denominados Códices de Berlim, juntamente com os Apócrifos de João e outros textos. Menos da metade do documento foi preservado (ou não foi destruído), sendo que dez das dezenove páginas estão perdidas.

O texto não conta a vida do Cristo, mas parte do ponto quanto Jesus já ascendeu aos céus, e os discípulos inquirem Maria a lhes falar do Cristo e a lhes ministrar ensinamentos que apenas ela ouviu do Mestre.

Pedro disse para Maria: "Irmã, sabemos que o Salvador a amava mais do que às outras mulheres. Conte-nos as palavras que você se lembra. As coisas que você sabe e nós não, e nem as ouvimos dele".

Maria respondeu, dizendo: "O que lhes foi ocultado, eu direi" (Evangelho de Maria cap. 10 v.1:5).

Neste evangelho, mais do nunca, ela é a portadora da Gnose, sendo a única que recebeu determinados ensinamentos do Senhor. E como tal, tem uma autoridade inquestionável sobre os demais discípulos, apesar de que, também neste texto, Pedro e outros homens não aceitam de bom grado sua ascendência sobre o grupo. É ela que envia os apóstolos para o mundo, representando novamente a consciência interior de cada um deles, lembrando a todos as palavras do Cristo para que pregassem o Seu evangelho.

[...] Mas eles (os discípulos) estavam aflitos e lamentavam muito, dizendo: "Como poderemos ir por todas as nações e pregar o evangelho do reino do Filho do Homem se eles não o respeitaram, como nos respeitarão? "Então, Maria levantou-se, abraçou a todos e disse aos seus irmãos: "Não lamentem, não se aflijam e não formem dois corações, pois a graça Dele estará com todos vocês e irá protegê-los. Antes, louvemos-lhe a grandeza, pois ele nos preparou. Ele fez de nós Filhos do Homem”. Quando Maria disse estas palavras, encaminhou seus corações para dentro, para o Bem. E eles começaram a praticar as palavras do Salvador" (Evangelho de Maria cap.9 v.5:20).

[...] É a fé inabalável de quem presenciou sua ressurreição, que lhe dá a grandeza de poder falar em Seu nome. É apenas através da Alma que podemos sentir esse chamamento, sendo Maria, portanto, a mediadora entre o Cristo e todos nós seus discípulos.”


INTRODUÇÃO DO EVANGELHO DE MARIA MADALENA

Salvador disse: "Todas as espécies, todas as formações, todas as criaturas estão unidas, elas dependem umas das outras, e se separarão novamente em sua própria origem. Pois a essência da matéria somente se separará de novo em sua própria essência. Quem tem ouvidos para ouvir que ouça".

Pedro lhe disse: "Já que nos explicaste tudo, dize-nos isso também: o que é o pecado do mundo?"

Jesus disse: "Não há pecado; sois vós que os criais, quando fazeis coisas da mesma espécie que o adultério, que é chamado 'pecado'. Por isso Deus Pai veio para o meio de vós, para a essência de cada espécie, para conduzi-la à sua origem".

Em seguida disse: "Por isso adoeceis e morreis [...]. Aquele que compreende minhas palavras, que as coloque em prática. A matéria produziu uma paixão sem igual, que se originou de algo contrário à Natureza Divina. A partir daí, todo o corpo se desequilibra. Essa é a razão por que vos digo: tende coragem, e se estiverdes desanimados, procurais força das diferentes manifestações da natureza. Quem tem ouvidos para ouvir que ouça".

Quando o Filho de Deus assim falou, saudou a todos dizendo: "A Paz esteja convosco. Recebei minha paz. Tomai cuidado para ninguém vos afaste do caminho, dizendo: 'Por aqui' ou 'Por lá', pois o Filho do Homem está dentro de vós. Segui-o. Quem o procurar, o encontrará. Prossegui agora, então, pregai o Evangelho do Reino. Não estabeleçais outras regras, além das que vos mostrei, e não instituais como legislador, senão sereis cerceados por elas". Após dizer tudo isto partiu.

Mas eles estavam profundamente tristes. E falavam: "Como vamos pregar aos gentios o Evangelho ao Reino do Filho do Homem? Se eles não o pouparam, vão poupar a nós?" Maria Madalena se levantou, cumprimentou a todos e disse a seus irmãos: "Não vos lamentais nem sofrais, nem hesiteis, pois sua graça estará inteiramente convosco e vos protegerá. Antes, louvemos sua grandeza, pois Ele nos preparou e nos fez homens". Após Maria ter dito isso, eles entregaram seus corações a Deus e começaram a conversar sobre as palavras do Salvador.

Pedro disse a Maria: "Irmã, sabemos que o Salvador te amava mais do que qualquer outra mulher. Conta-nos as palavras do Salvador, as de que te lembras, aquelas que só tu sabes e nós nem ouvimos".

Maria Madalena respondeu dizendo: " Esclarecerei a vós o que está oculto". E ela começou a falar essas palavras: "Eu", disse ela, "eu tive uma visão do Senhor e contei a Ele: 'Mestre, apareceste-me hoje numa visão'. Ele respondeu e me disse: 'Bem-aventurada sejas, por não teres fraquejado ao me ver. Pois, onde está a mente há um tesouro'. Eu lhe disse: 'Mestre, aquele que tem uma visão vê com a alma ou como espírito?' Jesus respondeu e disse: "Não vê nem com a alma nem com o espírito, mas com a consciência, que está entre ambos - assim é que tem a visão [...]".

E o desejo disse à alma: 'Não te vi descer, mas agora te vejo subir. Por que falas mentira, já que pertences a mim?' A alma respondeu e disse: 'Eu te vi. Não me viste, nem me reconheceste. Usaste-me como acessório e não me reconheceste’. Depois de dizer isso, a alma foi embora, exultante de alegria.

"De novo alcançou a terceira potência, chamada ignorância. A potência inquiriu a alma dizendo: 'Onde vais? Estás aprisionada à maldade. Estás aprisionada, não julgues!' E a alma disse: 'Por que me julgaste apesar de eu não haver julgado? Eu estava aprisionada; no entanto, não aprisionei. Não fui reconhecida que o Todo se está desfazendo, tanto as coisas terrenas quanto as celestiais'.

"Quando a alma venceu a terceira potência, subiu e viu a quarta potência, que assumiu sete formas. A primeira forma, trevas; a segunda, desejo; a terceira, ignorância; a quarta é a comoção da morte; a quinta é o reino da carne; a sexta é a vã sabedoria da carne; a sétima, a sabedoria irada. Essas são as sete potências da ira. Elas perguntaram à alma: ‘De onde vens, devoradora de homens, ou onde vais, conquistadora do espaço?' A alma respondeu dizendo: 'O que me subjugava foi eliminado e o que me fazia voltar foi derrotado..., e meu desejo foi consumido e a ignorância morreu. Em um mundo fui libertada de outro mundo; num tipo fui libertada de um tipo celestial e também dos grilhões do esquecimento, que são transitórios. Daqui em diante, alcançarei em silêncio o final do tempo propício, do reino eterno'."

Depois de ter dito isso, Maria Madalena se calou, pois até aqui o Salvador lhe tinha falado. Mas André respondeu e disse aos irmãos: "Dizei o que tendes para dizer sobre o que ela falou. Eu, de minha parte, não acredito que o Salvador tenha dito isso. Pois esses ensinamentos carregam ideias estranhas". Pedro respondeu e falou sobre as mesmas coisas. Ele os inquiriu sobre o Salvador: "Será que ele realmente conversou em particular com uma mulher e não abertamente conosco? Devemos mudar de opinião e ouvirmos ela? Ele a preferiu a nós?" Então Maria Madalena se lamentou e disse a Pedro: "Pedro, meu irmão, o que estás pensando? Achas que inventei tudo isso no meu coração ou que estou mentindo sobre o Salvador?"

Levi respondeu a Pedro: "Pedro, sempre fostes exaltado. Agora te vejo competindo com uma mulher como adversário. Mas, se o Salvador a fez merecedora, quem és tu para rejeitá-la? Certamente o Salvador a conhece bem. Daí a ter amado mais do que a nós. É, antes, o caso de nos envergonharmos e assumirmos o homem perfeito e nos separaremos, como Ele nos mandou, e pregarmos o Evangelho, não criando nenhuma regra ou lei, além das que o Salvador nos legou".

Depois que Levi disse essas palavras, eles começaram a sair para anunciar e pregar.
__________________________________


CONCLUSÃO


Não podendo mais esconder toda a verdade, a Igreja Católica Romana, em 1979, reviu publicamente a decisão do Papa Gregório, em ter Madalena como a pecadora arrependida, passando a considerá-la discípula de Jesus.

Pesquisas sendo realizadas, livros sendo escritos, filmes e documentários sendo produzidos; todos resgatando a verdadeira essência de Maria Madalena, a Consorte Divina de Jesus, relegada ao lodo da difamação para impedir que a verdadeira obra de Jesus fosse concluída na Terra. Difamando Maria Madalena e fazendo de Jesus um Deus puramente masculino e casto, impediu-se a ingerência do Sagrado Feminino no planeta, sustentando o amor, a concórdia e a compassividade; virtudes e energias que não interessavam a quem desejava o poder e o controle sobre o outro.

[...] Para reconstruir a figura de Madalena, o primeiro passo tem sido fixar o que esta mulher não foi. Quer dizer, trata-se de recusar definitivamente a imagem negativa que a Igreja foi criando em torno dessa personagem, à medida que a instituição se hierarquizava, se masculinizava e se convertia em baluarte contra o sexo como exercício humano (sagrado) de diálogo e de felicidade. Assim, o sexo foi reduzido a mera função procriativa, e estabeleceram-se o celibato e a virgindade acima, inclusive, do sacramento do casamento. Assim, o sexo tornou-se pecado e Madalena seria a encarnação do pecado do sexo. A arrependida e a perdoada; portanto, a santa.

Prostituta, endemoniada, pecadora, encarnação do mal, símbolo do arrependimento... Tudo, menos o que foi realmente: a mulher mais importante no cristianismo nascente. Só Maria, a mãe de Jesus, pode obscurecer sua presença, mas, nos Evangelhos, é inclusive mais visível que a virginal Mãe de Jesus. Efetivamente, segundo os Evangelhos, Jesus aparece no domingo da Ressurreição para Madalena, não para Maria. Dessa forma, o Mestre confere a essa mulher uma formidável importância teológica. (ARIAS, Juan)

Maria está retomando sua verdadeira identidade de discípulo, apóstolo dos apóstolos, mestra-líder e poderosa em termos de ingerência sobre as pessoas, a encarnação do Divino-feminino para acompanhar e completar o Divino-masculino: Jesus, sua Chama-Gêmea. Estamos revivendo o Cristianismo Primitivo, de antes do aparecimento da Igreja Romana.


BIBLIOGRAFIA

- FRANÇA, Prof. Zezinho (antropólogo, teólogo e jornalista), in “A verdadeira história de Santa Sara Kali” - Fonte: https://www.recantodasletras.com.br/ensaios/4577774
- In “Como a Igreja tratou a heresia dos Albigenses ou Cátaros” - Revista “O CONSOLADOR”, Ano I, nº 40, 27/01/2018,
- ARIAS Juan, “Madalena, o último tabu do Cristianismo” – Tradução: Olga Savary; Editora Objetiva, Rio de Janeiro/RJ, 2006.
- BAIGENT, Michael; LEIGH, Richard; LINCOLN Henry; “O Santo Graal e a linguagem sagrada”; tradução Nadir Ferrari, Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira, 1993.